• jornais15.08.17.jpg

Manchetes: Disputa entre alas do governo adia anúncio da nova meta fiscal


Confira as manchetes dos principais jornais do país desta terça-feira

em Nacional por

Confira nas manchetes dos principais jornais do país desta terça-feira, 15: Disputa entre alas do governo adia anúncio da nova meta fiscal.

Notícias dos jornais O Globo, O Estado de São Paulo e Folha de São Paulo.

 

O Globo

Manchete: Pressão de aliados dificulta a revisão do rombo fiscal
Após pressão de líderes do Congresso e de ministros da área política para elevar a R$ 170 bilhões o déficit fiscal previsto para 2017 e 2018, facilitando assim a liberação de verbas às vésperas do ano eleitoral, o presidente Temer foi convencido pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a fazer uma revisão menor no rombo, para R$ 159 bilhões. Porém, avisou a Meirelles que não vai propor aumento de impostos nem conseguirá aprovar, no Congresso, o texto original do Refis, programa de refinanciamento de dívidas que geraria arrecadação extra de R$ 13 bilhões. Diante do impasse, o governo adiou o anúncio da nova meta fiscal, o que levou o dólar a subir 0,88%, para R$ 3,203.

Direito de ir e vir à mercê do tráfico
Como uma procissão, grupos de moradores do Jacarezinho voltam para casa após mais de duas horas esperando o fim de um tiroteio entre policiais e bandidos. A cena retrata uma triste rotina que volta com a escalada da violência. O chefe do tráfico da favela foi preso domingo, em Luiziânia, Goiás. Em Brasília, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, criticou o secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, e disse que falta polícia nas ruas.

Volks vai investir R$ 2,6 bi no Brasil
A Volkswagen anunciou que vai investir R$ 2,6 bilhões em sua fábrica de São Bernardo do Campo (SP) para produzir dois novos modelos.

O Estado de S. Paulo

Manchete: MPF diz que Joesley omitiu crime e quer cobrar R$ 1 bi
O procurador Ivan Marx, do MPF em Brasília, afirma que o empresário Joesley Batista e outros executivos do Grupo J&F esconderam em delação premiada crimes praticados no BNDES. Apesar da imunidade penal obtida pelos delatores no acordo com a Procuradoria-Geral da República, Marx diz que as fraudes em aportes feitos na empresa estão demonstradas. Ele pretende apresentar denúncia e cobrar R$ 1 bilhão por prejuízos ao erário, informam Fábio Fabrini e Fabio Serapião. Segundo Marx, o valor não foi coberto pelo acordo de leniência de R$ 10,3 bilhões firmado pelo MPF com a J&F. A negociação foi conduzida pelos procuradores da Operação Greenfield, que apura desvios em negócios do frigorífico e em outras empresas do grupo. “Nós (da Bullish) não aderimos a esse acordo”, diz. A JBS não se manifestou. O BNDES não comentou.

Governo quer elevar alíquota previdenciária de servidores
O governo estuda elevação da contribuição previdenciária de servidores federais dos atuais 11% para até 14%, medida que poderia render R$ 1,9 bilhão para diminuir o rombo no Orçamento da União. Pela proposta em análise, seriam estabelecidas diferentes faixas de contribuição, conforme o salário, modelo que já existe no INSS.

Sob pressão, Fazenda adia anúncio da meta
Sob pressão de parlamentares por um déficit maior, a equipe econômica adiou o anúncio de aumento do teto para o rombo das contas públicas. O governo avalia incluir R$ 25 bilhões como previsão de receitas com privatizações no Orçamento de 2018 para evitar que o rombo passe de R$ 159 bilhões.

 

Folha de S. Paulo

Manchete : Rio em crise tem um PM morto a cada dois dias
Em meio à crise financeira e ã escalada de violência, o Estado do Rio de Janeiro soma 97 policiais militares assassinados neste ano, média de um a cada dois dias. Os ataques a policiais (tanto em serviço como de folga e aposentados) crescem desde 2016, quando houve 147 mortes no ano. No ritmo atual, os assassinatos de PMs caminham para a maior marca desde 1994. O Estado de São Paulo, por exemplo, teve 22 PMs mortos no primeiro semestre — menos de um por semana, embora seu efetivo seja quase o dobro. O fenômeno no Rio ê reflexo do aumento de confrontos com grupos criminosos e da crise nos cofres do Estado, que ocasiona atraso em salários de policiais e queixas de precarização de equipamentos, como coletes à prova de balas. As mortes registradas após intervenção policial também subiram neste ano (45%) e chegaram a três por dia. Os homicídios e roubos em geral estão em alta. O secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, defende endurecer a legislação para quem porta fuzis. A PM diz ter adotado em treinamento instruções para policiais em folga.

Disputa entre alas do governo adia anúncio da nova meta fiscal
Um disputa entre as alas política e econômica fez o governo adiar o anúncio do novo déficit das contas públicas — que deve ocorrer hoje. Políticos querem abrir espaço no Orçamento de 2018 para obras e emendas parlamentares congeladas e, para isso, pleiteiam ampliar o rombo para R$ 177 bilhões. A nova meta aumentaria a dívida do governo, que precisaria emprestar dinheiro no mercado para financiar as despesas. A Fazenda ê contra e defende R$ 159 bilhões como limite, neste ano e no próximo.

JBS divulga lucro 80% menor após acordo de delação
A JBS teve um lucro líquido de R$ 309,8 milhões no segundo trimestre, quase 80% inferior ao R$ 1,54 bilhão registrado no mesmo período do ano passado. Essa foi a primeira divulgação de resultados da empresa depois que acordo de delação premiada admitindo pagamento de propina a políticos veio à tona.

 

Vá para o Topo