TCE-PR emite parecer pela irregularidade das contas de 2013 de São João do Triunfo


Saldos negativos na conta da prefeitura foram os motivos da desaprovação das contas

em PR Sul por

Os motivos da desaprovação foram contas bancárias com saldos negativos, diferenças em registros de transferências constitucionais e falta de repasses de contribuições ao INSS. Cabe recurso.  O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) emitiu Parecer Prévio recomendando a desaprovação das contas de 2013 do Município de São João do Triunfo de responsabilidade do então prefeito, Marcelo Hauagge Distéfano (gestão 2013-2016).

A análise técnica realizada pela Coordenadoria de Gestão Municipal (CGM) apontou cinco irregularidades nas Prestação de Contas (PCA) daquele ano: contas bancárias com saldo negativo, no valor de R$ 41.376,42; diferenças nos registros de transferências constitucionais, de R$ 365.621,75; falta de repasse de contribuições patronais ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), no valor de R$ 72.583,08; imputações de débitos ao então prefeito por danos causados ao erário, pelo recolhimento em atraso de contribuições devidas ao INSS, no valor de R$ 8.157,25; e Relatório do Controle Interno sem os conteúdos mínimos prescritos pelo TCE-PR.

Em defesa, o gestor comprovou a regularidade de dois desses itens. Em relação à imputação de débitos por danos causados ao erário, pelo recolhimento em atraso das contribuições devidas ao INSS, o então prefeito comprovou o ressarcimento dos valores decorrentes de juros e multas. A segunda regularização ocorreu no Relatório do Controle Interno: a prefeitura encaminhou novo documento, com os conteúdos adequados.

O relator do processo, conselheiro Fernando Guimarães, concluiu pela manutenção de três irregularidades: conta bancária com saldo negativo; diferenças nos registros de transferências constitucionais; e falta de repasse de contribuições ao INSS. O relator apontou, ainda, a ocorrência de pagamentos por meio de Recibo de Pagamento a Autônomo (RPA) em contratações nas quais esse documento não poderia ser utilizado.

Guimarães determinou a expedição de recomendação ao Município de São João do Triunfo, para que observe a real necessidade de contratação por meio de RPA, a urgência do objeto da contratação e o prazo para prestação do serviço, constando em contrato a ser firmado com o contratado, nos temos do artigo 28, inciso I, da Lei Complementar 113/2005.

Os membros da Primeira Câmara acompanharam, por unanimidade, o voto do relator, na sessão de 22 de maio. Os prazos para recurso passaram a contar em 5 de junho, primeiro dia útil após a publicação do Acórdão de Parecer Prévio nº 149/18 – Primeira Câmara, na edição nº 1.836 do Diário Eletrônico do TCE-PR (DETC).

Após o trânsito em julgado do processo, o Parecer Prévio do TCE-PR será encaminhado à Câmara Municipal de São João do Triunfo. A legislação determina que cabe aos vereadores o julgamento das contas do chefe do Executivo municipal. Para desconsiderar a decisão do Tribunal, são necessários dois terços dos votos dos parlamentares.