Paraná tem redução nos principais indicadores de crimes


em Estado PR por

O Paraná fechou o primeiro semestre de 2017 com redução nos principais indicadores de crimes. A queda nos índices atingiu tanto os crimes patrimoniais como os crimes contra a pessoa e integram o mais recente relatório criminal divulgado pela Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná.

No caso dos roubos, crimes nos quais há a utilização de violência para subtrair pertences da vítima, houve queda de 4% no comparativo com o mesmo período do ano passado, passando de 42,7 mil casos para 41,1 mil em 2017.A queda mais expressiva foi verificada nos roubos cometidos contra comércios em todo o Estado: -20,35%. Também houve queda no índice de roubos registrados em residências: -1,2%. Já nos crimes cometidos sem o uso de violência – os furtos – a redução foi de 1,24%Das 23 Áreas Integradas de Segurança Pública (Aisps) nas quais o Paraná é dividido para fins administrativos, 13 apresentaram redução no índice de roubo. A queda chegou a 22% na região de Telêmaco Borba, a 22% na de Jacarezinho e a 20% na de Cascavel.

QUEDA GERAL – No somatório, todos os crimes contra a pessoa e contra o patrimônio sofreram queda no Paraná nos primeiros seis meses do ano. Houve redução de 3% (3.161 ocorrências a menos) nos crimes cometidos contra a pessoa, entre os quais estão aqueles registros criminais cometidos contra a vida, lesões corporais e crimes conta a honra. Já nos crimes contra o patrimônio, que englobam furtos e roubos, por exemplo, a diminuição no índice foi de 2%

VEÍCULOS – Enquanto houve aumento de 2,4% nos roubos de veículos no Paraná, o número de furtos caiu 4%. No mesmo período, a recuperação de veículos cresceu 5,4%. A região de Telêmaco Borba foi a que apresentou a maior redução nos roubos de veículos (-31%), seguida pelas regiões de Francisco Beltrão (-27%) e de Cascavel (-26%).

DROGAS – Com mais policiais e viaturas nas ruas, aumentaram também os boletins de ocorrência relacionados a crimes de uso (+16%) e tráfico de drogas (+14%).

 
Vá para o Topo