• f021217-bebe-de-mãe-em-coma-Ponta-Grossa.jpg

Bebê que nasceu em Ponta Grossa de uma mãe em coma vai para casa


Grávida de sete meses, Kézia Fernanda Lemes Mira foi uma das vítimas de um acidente 25 de outubro, na PR-151, no qual morreram os pais dela.

em Estado PR por

O bebê Miguel foi para casa nesta sexta-feira (01) após ficar um mês internado no Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais (HU-UEPG). Ele nasceu em uma cesariana de emergência no Centro Obstétrico da instituição com a mãe em coma induzido. Grávida de sete meses, Kézia Fernanda Lemes Mira foi uma das vítimas de um acidente 25 de outubro, na PR-151, no qual morreram os pais dela.

“Eu estou feliz, agradecida e com grande alívio por tudo ter saído bem para mim e meu bebê. Agradeço a Deus e a todos do hospital que agora são muito importantes nas nossas vidas. Nós saímos vivos do hospital e eu serei eternamente grata”, disse Kézia.

Ela, Miguel e o pai do bebê, Clodoaldo dos Santos Mira, receberam como um presente especial o convite da equipe do HU para participar do Presépio Vivo que integra as ornamentações natalinas espalhadas por todo o hospital.

Clodoaldo dos Santos, que teve ferimentos leves no acidente, se emociona ao agradecer estar com o filho nos braços e também à equipe pelo convite. “A gente nem sabe como agradecer a atenção de todos, mas é muita satisfação. Nós saímos todos felizes e só Deus para recompensar os esforços do hospital. Eu construí uma família nova com eles”.

A chefe de Enfermagem do HU-UEPG, Caroline Simionato Zander, conta que a ideia de integrar a equipe do hospital para enfeitar o local neste Natal surgiu da sensibilidade nesta época. “É uma época em que as pessoas estão mais próximas da família e que remete ao renascimento, à vida e à renovação”.

Com o convite “Enfeite seu setor, decore o HU-UEPG neste Natal”, Caroline diz que o objetivo é era tirar a imagem do hospital de um local de sofrimento. “Nós enfeitamos o Natal do hospital para trazer a seus ambientes mais alegria. Todos os setores aderiram à campanha”.

INTEGRAÇÃO – Para o diretor do Hospital Universitário, Everson Augusto Krum, a volta de Kézia e Miguel para casa é resultado de um trabalho conjunto da equipe do HU. Os esforços para salvá-los foram iniciados pela equipe de emergência, passando pela neurocirurgia, em conjunto com a Obstetrícia, até chegar aos cuidados intensivos na UTI.

O parto do bebê foi de alta complexidade. Ocorreu com a mãe entubada e Miguel sofreu uma parada cardiorrespiratória em função da saúde da mãe. “A tensão da equipe que atendeu o parto era grande porque havia o risco de morte. Mas hoje vivemos esse momento de satisfação de ver mãe e filho recuperados e a família voltando para casa”.

O diretor atribui o sucesso do tratamento de mãe e filho aos profissionais qualificados do hospital e destaca a importância da participação das equipes em espaços de treinamento. Neste contexto cita o curso de Emergência Obstétrica que reuniu enfermeiros do hospital e da equipe Neonatal.

Vá para o Topo